O Luso Café, pertencendo ao mesmo edifício pré-pombalino onde está localizada a casa-mãe, o mítico Café Luso, “Catedral do Fado”, teve o seu primeiro momento de existência na década de 90 do século XX.

Em 2003, o conceituado arquitecto Miguel Saraiva projectou o desenho do espaço e o logótipo do Luso Café.

Espaço complementar aos Clientes que frequentaram o Café Luso, e simultaneamente independente, chegou a ser um dos bares mais “trendy” do Bairro Alto, com programação semanal de música, sobretudo de Jazz, e também com sessões de Poesia.

Em respeito por este legado, reabriu em 2015 após um período de redefinição, tendo-se acrescentado valor ao espaço com decoração alusiva ao Fado.

Com isto, além de um período de funcionamento diurno, entre as 18h00 e as 20h00, em que se servem provas de vinhos orientadas por um conceituado enólogo, projecto TASTES LIKE US, pretende-se estreitar a ligação à casa-mãe.

Após as 20h00, recolhem-se as portas de vidro resultando num efeito de montra para a rua, procedendo-se à entrada por uma ligação interior que une ao Café Luso.

Este espaço é partilhado por Clientes e os Artistas, que o usam livremente para ensaiar e afinar instrumentos. Os Clientes interpretam esta proximidade com os Artistas como uma sorte ou privilégio.

Para os Clientes que comecem por optar pelo Luso Café, este pode ser um espaço de recolhimento que convida a longas conversas, reservando a opção de, mais tarde, transitar para uma noite de fados no Café Luso.

Excepcionalmente, fora do funcionamento habitual, ocorrem eventos diversos, entre eles, lançamentos de produtos, convívios particulares ou empresariais.